Questões da Banca Quadrix

Questão: 584036
Banca: Quadrix Prova: Professor - Odontologia Ano: 2017
Disciplina: Assunto:
Uma paciente de trinta anos de idade, na vigésima oitava semana de gravidez, foi atendida em consultório odontológico apresentando gengivite, lesões de cárie extensas nas faces proximais dos quatro incisivos superiores, com imagens radiolúcidas próximas às respectivas câmaras pulpares, porém assintomáticos, ausência dos primeiros molares superiores, segundos molares superiores restaurados em resina composta na face oclusal, raízes residuais nas regiões dos dentes 34, 35, 36, 37, 44, 45 e 46, e dente 47 com remanescente coronário mésio-vestibular, porém extensa destruição coronária distolingual, com invasão de espaço biológico. 

Considerando esse caso clínico hipotético, julgue o item seguinte.

Caso a paciente opte por reabilitar a região edêntula da mandíbula por meio de implantes dentários, a redução do trabeculado ósseo que ocorrerá após a exodontia será revertida. Um implante dentário pode manter tanto a largura quanto a altura óssea. 
Questão: 501312
Banca: Quadrix Prova: Ano: 2013
Disciplina: Assunto:
Em "tenho que levantar", o tique" pode ser classificado morfologicamente como um(a):
Questão: 491385
Banca: Quadrix Prova: Ano: 2014
Disciplina: Assunto:
A forma verbal "está", em destaque no texto, está flexionada na terceira pessoa porque se refere a:
Questão: 430839
Banca: Quadrix Prova: Atendente Administrativo Ano: 2012
Disciplina: Português Assunto: Geral ,
Sobre a forma verbal "virou", que aparece no primeiro parágrafo, em destaque, analise as afirmações.

I. Está no passado.

II. Está na terceira pessoa do singular.

III. É verbo de ação no contexto em que aparece.

Pode-se afirmar que
              Em Londrina, sensor de movimentos para videogame ajuda em cirurgias

BRUNO ROMANI (COLABORAÇÃO PARA A FOLHA)

      No Hospital Evangélico de Londrina (PR), o Kinect virou ferramenta para auxiliar procedimentos cirúrgicos complexos, como neurológicos e cardiológicos - resultado de um projeto chamado Intera.

      Com o sensor, os médicos podem visualizar os resultados de exames durante as operações. Desde abril, ele já foi usado em mais de 20 procedimentos em uma das 12 salas de operação da instituição.

NÃO ME TOQUE

      No Brasil, o carro-chefe de dispositivos comandados por gestos é o Kinect.

      Ainda não há uma grande comunidade, mas empresas, universidades e desenvolvedores independentes estudam maneiras de criar novas aplicações para o sensor da Microsoft em áreas como saúde, entretenimento e robótica.

      O Instituto de Tecnologia de Sorocaba (a 99 km de São Paulo) criou um painel interativo com conteúdo educativo que pode ser manipulado por deficientes físicos, acionado por gestos ou olhos.

       Entre os desenvolvedores nacionais também estão universitários e hackers independentes. Um deles é Camilo de Lellis Barreto Júnior, que construiu um braço robótico comandado por movimentos captados por meio do sensor da Microsoft.

      Empresas e universitários, porém, dizem que os manuais para desenvolvimento de aplicações são mal organizados, com poucos detalhes e que não estão em português, dificultando a criação.

                                                             (Disponível em www.folha.uol.com.br
Questão: 497887
Banca: Quadrix Prova: Assistente Administrativo Ano: 2013
Disciplina: Assunto:
Releia a seguinte fala, presente no texto: "É bem possível que tenhamos espécies novas nessas amostras" A oração em destaque exerce função de:
Questão: 405027
Banca: Quadrix Prova: Analista Técnico Ano: 2016
Disciplina: Português Assunto: Geral ,
Após a leitura do texto, considerando-o como um todo e levando em conta os sentidos pretendidos por sua autora ou as implicações decorrentes deles, julgue as afirmativas a seguir para então assinalar a alternativa correta.

I. Logo no início do texto, o uso do vocábulo "facínora" indica que sua autora está, a princípio, marcando uma distância moral entre sua própria conduta e a conduta do sujeito de que escreve, no entanto, ao longo do texto, essa distância vai sendo desconstruída e uma pista disso está na frase "porque eu sou o outro".

II. Toda a composição está ordenada de modo a construir um paralelo de opostos entre os vocábulos "sonsos" e "doidos". Nessa perspectiva, sonsos são os que se sentem seguros com o massacre de um facínora, como Mineirinho, enquanto os doidos são capazes de entender que um criminoso é, igualmente, uma vítima que poderia não existir caso tivesse sido amparada.

III. A dita "justiça prévia", como a concebe Clarice Lispector, seria a justiça que, antes de julgar e assassinar um criminoso, entende a mais verdadeira condição dele, procurando evitar que o homem esquecido e desesperado de hoje torne-se o assassino violento e odiado de amanhã.

Está correto o que se afirma em: 
                                                        Mineirinho

    É, suponho que é em mim, como um dos representantes de nós, que devo procurar por que está doendo a morte de um facínora. E por que é que mais me adianta contar os treze tiros que mataram Mineirinho do que os seus crimes. Perguntei a minha cozinheira o que pensava sobre o assunto. Vi no seu rosto a pequena convulsão de um conflito, o mal-estar de não entender o que se sente, o de precisar trair sensações contraditórias por não saber como harmonizá-las. Fatos irredutíveis, mas revolta irredutível também, a violenta compaixão da revolta. Sentir-se dividido na própria perplexidade diante de não poder esquecer que Mineirinho era perigoso e já matara demais; e no entanto nós o queríamos vivo. [...]

    Mas há alguma coisa que, se me faz ouvir o primeiro e o segundo tiro com um alívio de segurança, no terceiro me deixa alerta, no quarto desassossegada, o quinto e o sexto me cobrem de vergonha, o sétimo e o oitavo eu ouço com o coração batendo de horror, no nono e no décimo minha boca está trêmula, no décimo primeiro digo em espanto o nome de Deus, no décimo segundo chamo meu irmão. O décimo terceiro tiro me assassina — porque eu sou o outro. Porque eu quero ser o outro.

    Essa justiça que vela meu sono, eu a repudio, humilhada por precisar dela. Enquanto isso durmo e falsamente me salvo. Nós, os sonsos essenciais. Para que minha casa funcione, exijo de mim como primeiro dever que eu seja sonsa, que eu não exerça a minha revolta e o meu amor, guardados. Se eu não for sonsa, minha casa estremece. [...]

    Em Mineirinho se rebentou o meu modo de viver. [...] Sua assustada violência. Sua violência inocente — não nas consequências, mas em si inocente como a de um filho de quem o pai não tomou conta. Tudo o que nele foi violência é em nós furtivo, e um evita o olhar do outro para não corrermos o risco de nos entendermos. Para que a casa não estremeça. A violência rebentada em Mineirinho que só outra mão de homem, a mão da esperança, pousando sobre sua cabeça aturdida e doente, poderia aplacar e fazer com que seus olhos surpreendidos se erguessem e enfim se enchessem de lágrimas. [...]

    A justiça prévia, essa não me envergonharia. Já era tempo de, com ironia ou não, sermos mais divinos; se adivinhamos o que seria a bondade de Deus é porque adivinhamos em nós a bondade, aquela que vê o homem antes de ele ser um doente do crime. Continuo, porém, esperando que Deus seja o pai, quando sei que um homem pode ser o pai de outro homem. E continuo a morar na casa fraca. Essa casa, cuja porta protetora eu tranco tão bem, essa casa não resistirá à primeira ventania que fará voar pelos ares uma porta trancada. [...] o que me sustenta é saber que sempre fabricarei um deus à imagem do que eu precisar para dormir tranquila e que outros furtivamente fingirão que estamos todos certos e que nada há a fazer. [...] Feito doidos, nós o conhecemos, a esse homem morto onde a grama de radium se incendiara. Mas só feito doidos, e não como sonsos, o conhecemos. [...]

    Até que viesse uma justiça um pouco mais doida. Uma que levasse em conta que todos temos que falar por um homem que se desesperou porque neste a fala humana já falhou, ele já é tão mudo que só o bruto grito desarticulado serve de sinalização. Uma justiça prévia que se lembrasse de que nossa grande luta é a do medo, e que um homem que mata muito é porque teve muito medo. Sobretudo uma justiça que se olhasse a si própria, e que visse que nós todos, lama viva, somos escuros, e por isso nem mesmo a maldade de um homem pode ser entregue à maldade de outro homem: para que este não possa cometer livre e aprovadamente um crime de fuzilamento.

    Uma justiça que não se esqueça de que nós todos somos perigosos, e que na hora em que o justiceiro mata, ele não está mais nos protegendo nem querendo eliminar um criminoso, ele está cometendo o seu crime particular, um longamente guardado. [...]

                                                                                                                     Clarice Lispector                                                                                         (Disponível em ip.usp.br. Adaptado.)
Questão: 502785
Banca: Quadrix Prova: Conferente Ano: 2013
Disciplina: Assunto:
Veja: Valorizando o esporte, a Prefeitura está cuidando das pessoas. Sobre o trecho, analise as afirmações e assinale a única correta.
Questão: 504662
Banca: Quadrix Prova: Escrivão de Polícia Ano: 2013
Disciplina: Assunto:
Em “Tomava muito remédio, mas vivia indo lá com problemas de glicose e pressão alta”, a conjução em destaque pode ser classificada como:
Questão: 504665
Banca: Quadrix Prova: Escrivão de Polícia Ano: 2013
Disciplina: Assunto:
A palavra que poderia substituir "só" (último quadrinho) sem causar alteração de sentido seria:
Questão: 497704
Banca: Quadrix Prova: Auxiliar Motorista Ano: 2013
Disciplina: Assunto:
Sobre a expressão "vai exibir", que aparece no texto do anúncio, é incorreto afirmar que: