Questões da Prova de Analista Judiciário - Tecnologia da Informação

Questão: 263141
Banca: CESPE Prova: Analista Judiciário - Tecnologia da Informação Ano: 2010
Disciplina: Gerência de Projetos Assunto: Geral ,
O Índice de Desempenho de Custos é igual à razão entre Valor Agregado e o Custo Real.

Questão: 156126
Banca: FCC Prova: Analista Judiciário - Tecnologia da Informação Ano: 2014
Disciplina: Assunto:
O Portal Corporativo - PC, também chamado de EIP - Enterprise Information Portal, tem como objetivo primário promover eficiência e vantagens competitivas para a organização que o implementa. É INCORRETO afirmar:
Questão: 292529
Banca: CESPE Prova: Analista Judiciário - Tecnologia da Informação Ano: 2004
Disciplina: Segurança da Informação Assunto: Geral ,
A respeito da compressão e da criptografia de arquivos no sistema operacional Windows XP, julgue o item que segue.

Questão: 291914
Banca: FCC Prova: Analista Judiciário - Tecnologia da Informação Ano: 2009
Disciplina: Segurança da Informação Assunto: Geral ,
No tocante à criptografia de dados, são algoritmos conhecidos de criptografia:
Questão: 252925
Banca: CESPE Prova: Analista Judiciário - Tecnologia da Informação Ano: 2004
Disciplina: Redes de Computadores Assunto: Geral ,
A respeito de conceitos de endereçamento e de roteamento dentro da arquitetura de redes TCP/IP, julgue o item a seguir.

Questão: 424873
Banca: FCC Prova: Analista Judiciário - Tecnologia da Informação Ano: 2013
O verbo flexionado no singular que também pode ser cor- retamente flexionado no plural, sem que nenhuma outra alteração seja feita na frase, está em:
Questão: 192439
Banca: FCC Prova: Analista Judiciário - Tecnologia da Informação Ano: 2013
December 12, 2012
If It’s for Sale, His Lines Sort It
By MARGALIT FOX


It was born on a beach six decades ago, the product of a pressing need, an intellectual spark and the sweep of a young man’s
fingers through the sand.
The result adorns almost every product of contemporary life, including groceries, wayward luggage and, if you are a
traditionalist, the newspaper you are holding.
The man on the beach that day was a mechanical-engineer-in-training named N. Joseph Woodland. With that transformative
stroke of his fingers − yielding a set of literal lines in the sand − Mr. Woodland, who died on Sunday at 91, conceived the modern bar
code.
Mr. Woodland was a graduate student when he and a classmate, Bernard Silver, created a technology, based on a printed
series of wide and narrow striations, that encoded consumer-product information for optical scanning.
Their idea, developed in the late 1940s and patented 60 years ago this fall, turned out to be ahead of its time, and the two men
together made only $15,000 from it, when they sold their patent to Philco. But the curious round symbol they devised would ultimately
give rise to the universal product code, or U.P.C., as the staggeringly prevalent rectangular bar code (it graces tens of millions of
different items) is officially known.


       Here is part of the story behind the invention:
       To represent information visually, he realized, he would need a code. The only code he knew was the one he had learned in the
Boy Scouts.
       What would happen, Mr. Woodland wondered one day, if Morse code, with its elegant simplicity and limitless combinatorial
potential, were adapted graphically? He began trailing his fingers idly through the sand.
       “What I’m going to tell you sounds like a fairy tale,” Mr. Woodland told Smithsonian magazine in 1999. “I poked my four fingers
into the sand and for whatever reason − I didn’t know − I pulled my hand toward me and drew four lines. I said: ‘Golly! Now I have four
lines, and they could be wide lines and narrow lines instead of dots and dashes.’ ”
       That consequential pass was merely the beginning. “Only seconds later,” Mr. Woodland continued, “I took my four fingers − they
were still in the sand − and I swept them around into a full circle.”
       Mr. Woodland favored the circular pattern for its omnidirectionality: a checkout clerk, he reasoned, could scan a product without
regard for its orientation.
       But that method − a variegated bull’s-eye of wide and narrow bands −, which depended on an immense scanner equipped with
a 500-watt light, was expensive and unwieldy, and it languished for years.
       The two men eventually sold their patent to Philco for $15,000 − all they ever made from their invention.
       By the time the patent expired at the end of the 1960s, Mr. Woodland was on the staff of I.B.M., where he worked from 1951
until his retirement in 1987.
       Over time, laser scanning technology and the advent of the microprocessor made the bar code viable. In the early 1970s, an
I.B.M. colleague, George J. Laurer, designed the familiar black-and-white rectangle, based on the Woodland-Silver model and drawing
on Mr. Woodland’s considerable input.
(Adapted from http://www.nytimes.com/2012/12/13/business/n-joseph-woodland-inventor-of-the-bar-code-dies-at-91.html?nl=todaysheadlines
&emc=edit_th_20121214&_r=0
)

  A ideia de Woodland e Silver foi patenteada em
Questão: 423154
Banca: FCC Prova: Analista Judiciário - Tecnologia da Informação Ano: 2013
Disciplina: Português Assunto: Geral ,
"Te embalarei com uma canção sentida." Senta-te aqui ao meu lado, amiga, e te contarei uma história. Faz tempo que não te conto uma história na beira deste cais. A noite está cheia de estrelas, são homens valentes que morreram. Senta-te aqui, dá-me tua mão, vou te contar a história de um homem valente. Vês aquela estrela lá longe, mais além do navio fundeado, mais além do forte velho, da sombra das ilhas? Deve ser ele iluminando o céu da Bahia. [...] Já viste da beira do cais o vento noroeste se despenhar sobre a cidade e o mar, levar embarcações, desatracar navios, mudar o rumo de transatlânticos, transformar a cor das águas? É rápido, inquietante, belo, quase irreal. Dura um instante na medida do tempo. Mas, mesmo depois que o noroeste passa e volta a calmaria, fica a sua lembrança e é impossível esquecê-lo porque tudo mudou na face das coisas: é outra a fisionomia do cais e o ar que se respira é mais puro. Assim, negra, foi Castro Alves. Tinha a força do vento noroeste, o seu ímpeto, a sua violência. Tinha a sua beleza também. E deixou o ar mais puro, a sua lembrança imortal. Tinha a precocidade desses moleques de rua a quem acaricias a cabeça e dos quais te contei a história. Começou muito moço e muito moço terminou. Foi o mais belo espetáculo de juventude e de gênio que os céus da América presenciaram. No tempo que andou nestas e noutras ruas, disse tantas e tão belas coisas, amiga, que sua voz ficou soando para sempre e é cada vez mais alta e cada vez mais a voz de centenas, de milhares, de milhões de pessoas. É a sua voz, negra, é a voz do cais inteiro e da cidade lá atrás também. Falou por todos nós como nenhum de nós falaria. É ainda hoje o maior e o mais moço de todos nós. No teatro grande lá de cima ouviste certa vez uma numerosa orquestra. Lembras-te da hora em que os músicos se juntaram todos num esforço supremo e produziram com os seus instrumentos e com sua virtuosidade uma nota mais alta que todas, que todas mais bela, nota que ficou soando na sala mesmo após a saída dos espectadores? Pois assim foi Castro Alves. Há momentos no mundo em que todas as forças de uma nação se conjugam e, como uma nota mais alta que todas, aparece, tranquilo e terrível, demoniacamente belo, justo e verdadeiro, um gênio. Nasce dos desejos do povo, das necessidades do povo. Nunca mais morre, imortal como o povo. Este, cuja história vou te contar, foi amado e amou muitas mulheres. Vieram brancas, judias e mestiças, tímidas e afoitas, para os seus braços e para o seu leito. Para uma, no entanto, guardou ele as melhores palavras, as mais doces, as mais ternas, as mais belas. Essa noiva tem um nome lindo, negra: liberdade. Vê no céu, ele brilha, é a mais poderosa das estrelas. Mas o encontrarás também nas ruas de qualquer cidade, no quarto de qualquer casa. Seja onde for que haja jovens, corações pulsando pela humanidade, em qualquer desses corações encontrarás Castro Alves. Dá-me agora tua mão direita, ouve o ABC do poeta. Obs.: Ortografia atualizada segundo as normas vigentes. (Jorge Amado. ABC de Castro Alves; 14. ed. São Paulo: Martins, 1968. p. 15-17)Considerando-se o desenvolvimento do texto, está correto o que se afirma em:
Questão: 252924
Banca: CESPE Prova: Analista Judiciário - Tecnologia da Informação Ano: 2004
Disciplina: Redes de Computadores Assunto: Geral ,
A respeito de conceitos de endereçamento e de roteamento dentro da arquitetura de redes TCP/IP, julgue o item a seguir.

Questão: 284237
Banca: FCC Prova: Analista Judiciário - Tecnologia da Informação Ano: 2008
Disciplina: Banco de Dados Assunto: Banco de Dados , Catálogo de um banco de dados ,
Via de regra, são mantidos no catálogo de um banco de dados