Questões da Prova de Auxiliar de Administração

Questão: 150974
Banca: FEC Prova: Auxiliar de Administração Ano: 2007
Disciplina: Administração Geral Assunto: Geral ,
Competitividade é um critério extremamente importante de desempenho. São inúmeras as vantagens competitivas que uma empresa pode ter. Os cinco fatores da competitividade mais importantes são:
Questão: 321618
Banca: FUNRIO Prova: Auxiliar de Administração Ano: 2016
Disciplina: História e Geografia de Estados e Municípios Assunto: Geral ,
A origem do nome da cidade de Portão se deu por qual dos fatos a seguir?
Questão: 404637
Banca: FUNRIO Prova: Auxiliar de Administração Ano: 2016
Assinale a alternativa que mostra uma frase com erro de concordância segundo as regras da língua-padrão
Questão: 13217
Banca: FUNRIO Prova: Auxiliar de Administração Ano: 2016
Disciplina: Direito Administrativo Assunto: Agentes públicos e Lei 8.112 de 1990 , Cargo, emprego, função ,
A idade mínima como requisito básico para investidura em cargo público é de
Questão: 550910
Banca: IF-CE Prova: Auxiliar de Administração Ano: 2012
Disciplina: Assunto:
Segundo o texto do anexo do Decreto n° 1.171/1994, o servidor público deve nortear-se por um conjunto de primados: a dignidade, o decoro, o zelo, a eficácia e a consciência dos princípios morais, devendo exercê-los 
Questão: 435610
Banca: NR Prova: Auxiliar de Administração Ano: 2011
Disciplina: Português Assunto: Geral ,
Escreva (V) diante das afirmações verdadeiras a respeito do que se depreende do texto e (F) diante das falsas. Em seguida, assinale a alternativa que corresponde à sequência correta.

( ) O excesso de preocupação dos pais com os filhos, aprisionando-os na ilusão de que tudo acaba bem, impede o crescimento e o desenvolvimento das crianças.

( ) A partir dos seis, dos sete anos, a criança inicia um acesso aos códigos que a impede de decifrar o mundo adulto.

( ) Podemos definir vida escolar por todo o período que a criança passa na escola, tanto para o aprendizado quanto no convívio com os colegas e professores.

( ) Paciência, esforço, concentração, espera, superação, entre outros, devem fazer parte apenas do mundo dos adultos.
                                      O que não mata faz crescer

                     A criança precisa exercitar paciência, esforço e outros
                           pequenos sofrimentos para se desenvolver

      Quem tem filhos com idade entre seis e 12 anos, mais ou menos, precisa pensar seriamente que, nessa fase da vida, o importante é crescer.

      Tem sido muito difícil para essas crianças encontrar oportunidades que as ajudem durante esse processo, porque temos escolhido, muitas vezes, impedir que isso aconteça na hora certa.

      Temos atrapalhado o crescimento dos nossos filhos, esse é o fato.

      Tomemos como exemplo uma parte importante da experiência das crianças nessa fase, e que deveria ser a sua grande chance de crescimento: a vida escolar.

      Primeiramente, vamos entender os motivos disso. É a partir dos seis, dos sete anos que a criança inicia o período escolar, um processo que deve possibilitar a ela, progressivamente, o acesso aos códigos que, por sua vez, lhe permitirão decifrar o mundo adulto.

      Aprender a trabalhar com as letras e os números, com um grau cada vez maior de complexidade, é o que oferece à criança a ferramenta necessária para que ela comece a fazer a sua leitura de mundo, no mais amplo sentido que essa expressão possa ter.

      Mas, ainda, com o necessário apoio dos adultos, é importante ressaltar.

      Essa nova aquisição possibilita, por sua vez, que a criança ganhe condições de começar a andar com suas próprias pernas.

      Até então, vamos lembrar, seus passos eram dirigidos por seus pais ou por outros adultos que acompanhavam de perto sua vida.

      Junto com o entendimento mais bem informado do funcionamento do mundo e da compreensão de como a vida é, experiências novas surgem, é claro.

      Pequenos deveres e responsabilidades, por exemplo, passam a recair sobre a criança. Novas dificuldades e exigências também fazem com que a criança tenha de exercitar o que antes não precisava, porque cabia ao adulto: paciência, esforço, concentração, espera, superação, entre outros.

      O que fazemos nessas horas? Em vez de apoiar a criança, encorajá-la nessa sua nova empreitada, ampará- la em seus inevitáveis, mas ainda pequenos sofrimentos, achamos necessário fazer tudo isso por ela.

      De quem é hoje a responsabilidade pela vida escolar dessas crianças? Delas? Dificilmente. São os pais quem tem assumido essa parte da vida por elas, devidamente incentivados pela escola e pela sociedade de uma maneira geral.

      E por vida escolar vamos entender tudo o que diz respeito ao período passado na escola: desde a árdua batalha pela aquisição do conhecimento até o convívio com colegas e professores naquele espaço.

      Tem sido dever dos pais, por exemplo, o acompanhamento da realização do trabalho escolar que deve ser feito em casa.

      É dos pais também a preocupação com o rendimento e o desenvolvimento no processo da aprendizagem do filho, bem como o monitoramento do comportamento da criança no espaço escolar. 

      E o que dizer então a respeito da frustração ao não ser convidado para uma festa ou à experiência de isolamento na hora do recreio?

      Tudo isso e ainda mais os pais querem (ou são pressionados a) administrar na vida de seus filhos, nessa segunda e última parte da infância deles. E eles têm assumido tudo isso com orgulho, vamos reconhecer.

      Resultado? A criança permanece aprisionada nesse mundo ilusório e mágico em que sempre tudo termina bem, e nunca por sua própria intervenção.

      Desse modo, ela não cresce, não desenvolve o seu potencial, tampouco reconhece esse potencial, enfim: não se encontra. Melhor dizendo: ela se encontra sempre na condição de criança, até o dia em que terá de enfrentar o tédio que isso é.

                                     ROSELY SAYÃO é psicóloga e autora de "Como Educar Meu Filho?"
                         Fonte:(Publifolha) www.planetaeducacao.com.br/portal/artigo.asp?artigo=441

Questão: 13228
Banca: FUNRIO Prova: Auxiliar de Administração Ano: 2016
Disciplina: Direito Administrativo Assunto: Atos administrativos , Atos administrativos em espécie ,
Considerando-se as espécies de atos administrativos e sua classificação quanto ao conteúdo e quanto à forma, é correto afirmar que representa ato administrativo, quanto ao conteúdo, o seguinte: 
Questão: 322892
Banca: FEC Prova: Auxiliar de Administração Ano: 2007
Disciplina: História e Geografia de Estados e Municípios Assunto: Geral ,
O extrativismo tem papel relevante na economia do estado de Rondônia. Pode-se citar como produtos principais:
Questão: 176399
Banca: FEC Prova: Auxiliar de Administração Ano: 2007
Disciplina: Gestão de Pessoas Assunto: Geral ,
Quando os subordinados aceitam as ordens do superior como justificadas, por causa da influência da personalidade e da liderança do superior com o qual se identificam, pode-se afirmar que a Autoridade é:
Questão: 552105
Banca: CESPE Prova: Auxiliar de Administração Ano: 2016
Disciplina: Assunto:


A respeito de conceitos e princípios da arquivologia, julgue o item que se segue.

A elaboração do plano ou do código de classificação dos documentos de arquivo da UnB exige conhecimento da relação entre as unidades, da organização e do funcionamento dos órgãos da universidade.