Questões da Prova de Professor - Português

Questão: 411100
Banca: CEPERJ Prova: Professor - Português Ano: 2015
Disciplina: Português Assunto: Geral ,
Para responder às questões 43 e 44, observe o trecho a seguir:

“Ambas as interpretações me parecem válidas, embora eu goste mais da segunda"

O trecho “embora eu goste mais da segunda" sugere a seguinte ideia:

COMO LER NAS “ENTRELINHAS”?

As conhecidas “entrelinhas” são uma boa metáfora visual para aquilo que poderíamos designar, de maneira mais apropriada, como o “não-dito” de um texto. Entre uma linha e outra não há supostamente nada exceto o branco da página, da mesma maneira que o não-dito obviamente não foi escrito, logo, não pode ser lido.

Entretanto, lembremos que a linguagem humana é simultaneamente pletórica e insu?ciente: sempre se diz mais e menos do que se queria dizer. Até mesmo um texto prosaico e informativo esconde algumas informações e sugere outras, que se nos revelam se soubermos ler... nas entrelinhas. Ora, um texto de ?cção amplia conscientemente o espaço das suas entrelinhas, justamente para poder tanto esconder quanto sugerir mais informações. Desse modo, ele desa?a o seu leitor a decifrá-lo, vale dizer, a escavar as suas entrelinhas.

Nos dois parágrafos acima, por exemplo.
O que se encontra nas entrelinhas?
O que eu não disse?
O que estou escondendo?

Quando digo que “um texto de ficção amplia conscientemente o espaço das suas entrelinhas” e “desafia o seu leitor a decifrá-lo”, vejo-me escondendo nada menos do que o próprio autor do texto, porque empresto consciência e vontade a uma coisa, isto é, a um texto. Se o meu leitor percebe que fiz isto, ou seja, se o meu leitor lê nas entrelinhas do meu texto, ele pode me interpretar ou de um modo conservador ou de um modo mais ousado.

O meu leitor conservador pode entender que apenas recorri a uma metonímia elegante, dizendo “texto” no lugar de “autor do texto” por economia de palavras e para dar estilo ao que escrevo. O meu leitor ousado já pode especular que sobreponho o texto ao seu autor para sugerir que a própria escrita modifica quem escreve, e o faz no momento mesmo do gesto de escrever.

Ambas as interpretações me parecem válidas, embora eu goste mais da segunda. Talvez haja outras leituras igualmente válidas, embora nem tudo se possa enfiar impunemente nas entrelinhas alheias. Em todo caso, creio que achei um bom exemplo de leitura de entrelinhas no próprio texto que fala das entrelinhas...

Se posso ler nas entrelinhas de textos teóricos ou informativos como este que vos fala, o que não dizer de textos de ficção? Este meu texto não se quer propositalmente ambíguo ou plurissignificativo, mas o acaba sendo de algum modo, por força das condições internas de toda a linguagem, o que abre espaço para suas entrelinhas, isto é, para seus não-ditos.

Um texto de ficção, entretanto, já se quer ambíguo e plurissignificativo, assumindo orgulhosamente suas entrelinhas. Estas entrelinhas são maiores ou menores, mais ou menos carregadas de sentido, dependendo, é claro, do texto que contornam. Textos menores e mais densos, por exemplo, tendem a conter entrelinhas às vezes maiores do que eles mesmos.

É o caso do menor conto do mundo, do hondurenho Augusto Monterroso, intitulado “O Dinossauro”. O conto tem apenas sete palavras e cabe em apenas uma linha: “quando acordou, o dinossauro ainda estava ali”.
As entrelinhas cercam este conto, provocando muitas perguntas, como, por exemplo:

1. Quem acordou?
2. Quem fala?
3. Onde é ali?
4. O dinossauro ainda estava ali porque também se encontrava lá antes de a tal pessoa dormir, ou porque ela sonhara com o dinossauro e ele saiu do sonho para a sua realidade?
5. O dinossauro que ainda estava ali é o animal extinto ou um símbolo?
6. Se for o animal extinto e supondo que o conto se passa na nossa época, como ele chegou ali?
7. Se não se passa na nossa época, então em que época se passa a história?
8. Se, todavia, o dinossauro é um símbolo, o que simboliza?

Na verdade, as entrelinhas contêm as perguntas que um texto nos sugere, muito mais do que as respostas que ele porventura esconde. A nossa habilidade de ler nas entrelinhas se desenvolve junto com a nossa habilidade de seguir as sugestões do texto e de formular perguntas a respeito dele e mesmo contra ele, para explorá-las sem necessariamente respondê-las de uma vez para sempre.

Gustavo Bernardo (Adaptado de: revista.vestibular.uerj.br/coluna/)

Questão: 356926
Banca: IF-SC Prova: Professor - Português Ano: 2014
Disciplina: Princípios, Normas e Atribuições Institucionais Assunto: Geral ,
Quanto ao histórico da educação profissional, científica e tecnológica no Brasil e quanto ao histórico do Instituto Federal de Santa Catarina, analise as alternativas abaixo. 

I. Desde o início da colonização do Brasil, já se tem notícias da formação do trabalhador, com os índios e escravos como os primeiros aprendizes de ofícios destinados às categorias sociais mais baixas.
II. Em 1785, foi assinado o Alvará datado de 05/01/1785, que proibia a existência de fábricas no Brasil, pois Portugal tinha receio quanto à sua independência.
III. Em 23 de setembro de 1909, Nilo Peçanha assina o Decreto nº 7.566, criando Escolas de Aprendizes Artífices, nas capitais dos estados, que seriam vinculadas ao Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio, para habilitar os filhos dos desfavorecidos da fortuna com o indispensável preparo técnico e intelectual, para fazê-los adquirir hábitos de trabalho profícuo e afastando-os da ociosidade, do vício e do crime.
IV. O IFSC possui a única escola bilíngue – LIBRAS-Português – da América Latina, para ensino técnico para surdos.
V. A transformação do CEFETSC – Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina em IFSC – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina foi precedida de ampla avaliação por parte da comunidade escolar, envolvendo servidores e alunos, com defesa de duas teses (1ª: permanência como CEFETSC ou 2ª : transformação em IFSC) que culminou com a vitória da segunda, após consulta popular. 

Assinale a alternativa que contém a resposta CORRETA.
Questão: 213166
Banca: FEPESE Prova: Professor - Português Ano: 2016
Disciplina: Pedagogia Assunto: Geral ,
De acordo com o artigo 6° da Lei Municipal n° 7.508/2007, são integrantes do Sistema Municipal de Ensino:
Questão: 435709
Banca: FCC Prova: Professor - Português Ano: 2011
O que caracteriza os idiomatismos é o fato de que, embora contenham apenas palavras conhecidas, resultam em formações cuja significação é até certo ponto imprevisível.
(Ilari, Rodolfo e Basso, Renato. O português da gente. A língua que estudamos, a língua que falamos. São Paulo: Contexto, 2006, p. 146)

Acatando essa caracterização de idiomatismo, 
Considere o texto abaixo para responder à questão.

GATO-SAPATO
‘FAZER ALGUÉM GATO-SAPATO’ é maltratar, tratar alguém com desprezo.
A expressão teria surgido por associação com o mais vil dos ultrajes felinos: ser subjugado por um cão e assim ficar um ‘gato sob pata’. Aí, ‘sob pata’ se teria transformado em sopata (tal como ‘sob o papo’ virou sopapo e ‘sob pé’ virou sopé). Mas a palavra nem chegou a se estabelecer: foi logo substituída por sapato porque (a) ninguém conhecia sopata, (b) sapato todo o mundo conhecia e era a palavra mais parecida com sopata e (c) sapato rimava com gato.

(Reinaldo Pimenta. A Casa da Mãe Joana. Curiosidades nas origens das palavras, frases e marcas. 10 ed. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2010, p.104) 
Questão: 414002
Banca: IF-SC Prova: Professor - Português Ano: 2014
Disciplina: Português Assunto: Literatura ,
 Tendo em vista a leitura do texto, marque V para as afirmações verdadeiras e F para as falsas. 

( ) Embora informe objetivamente os benefícios dos alimentos para o organismo e para a saúde, o texto é classificado como literário.
( ) As batatas, fritas, e os legumes, esquartejados são assassinados pelo eu-lírico, sem demonstração de remorso, o que justifica o título do poema.
( ) Em “Como um selvagem” e “alfaces desmaiam ao molho de limão-mostarda- azeite,/cebolas soluçam sobre a pia”, há ambiguidade e prosopopeia, respectivamente.
( ) O eu-lírico, no poema, posiciona-se como um vegetariano que observa, em uma refeição, o sofrimento de legumes, frutas e verduras, por ele devorados.
( ) Nos versos, “Como tapando o ouvido, fechando os olhos” e “de quem mata para viver”, há, respectivamente, antítese e paradoxo.

Assinale a alternativa que contém a sequência CORRETA, de cima para baixo.
Considere a leitura do texto a seguir para responder à questão.

imagem-002.jpg

Questão: 435704
Banca: FCC Prova: Professor - Português Ano: 2011
Disciplina: Português Assunto: Geral ,
Considere, em IV, o seguinte fragmento:

Eu acho que porque o gato e o sapato chuta-se para o lado pra você não tropeçar.

Levando em conta o contexto, assinale a alternativa que contém comentário apropriado sobre o fragmento acima. 
Considere o texto abaixo para responder à questão.

    Em um site dedicado ao esclarecimento de dúvidas diversas entre internautas, foram encontrados uma pergunta e um conjunto de respostas sobre o significado da expressão ‘gato e sapato’. Abaixo, estão reproduzidos alguns desses textos, com adaptações e sem identificação dos autores.

I. Qual o significado da expressão ‘gato e sapato’? Sempre dizem, por exemplo: ‘Separe-se deste cara, ele faz gato e sapato de você!’. Bom, eu sei q quer dizer ‘fazer o que quiser com alguém’, mas o q eu quero saber é por que é gato e sapato...
Afinal, o que tem a ver gato com sapato???


II. Gato é o cara, sapato é você; aí sim, ele faz o que quer de você. Se você é o Gato, ele é o sapato e sofre na sua mão.
Imagine um gato brincando com um sapato. [...]
Além de tudo, tem a rima que ajuda na memorização e dá força ao dito popular.


III. Gato é o mesmo que dizer: tratar você como animal
(como se os animais não merecessem todo nosso carinho)
sapato: é uma coisa que a gente pisa nela
entendeu?


IV. Tratar você de qualquer maneira, sem um jeito especial.
Eu acho que porque o gato e o sapato chuta-se para o lado pra você não tropeçar. O gato tem mania de parar na sua frente de repente, ele não sai e você acaba chutando ele para o lado, e com o sapato é a mesma coisa, quando alguém deixa o sapato no meio do caminho você não chuta? Eu penso que seja isso!


V. Eu acho que o certo é: fazer do gato um sapato! Quer dizer, fazer um sapato do couro do gato! [...] 
Questão: 403410
Banca: NUCEPE Prova: Professor - Português Ano: 2016
Disciplina: Português Assunto: Interpretação de Textos , Figuras de Linguagem ,
O título do texto “Ovelha Negra” refere-se ao “homem honesto”, isso caracteriza uma  

                                        A OVELHA NEGRA

      Havia um país onde todos eram ladrões.

      À noite, cada habitante saía, com a gazua e a lanterna, e ia arrombar a casa de um vizinho. Voltava de madrugada, carregado e encontrava a sua casa arrombada.

      E assim todos viviam em paz e sem prejuízo, pois um roubava o outro, e este, um terceiro, e assim por diante, até que se chegava ao último que roubava o primeiro. O comércio naquele país só era praticado como trapaça, tanto por quem vendia como por quem comprava. O governo era uma associação de delinquentes vivendo à custa dos súditos, e os súditos por sua vez só se preocupavam em fraudar o governo. Assim a vida prosseguia sem tropeços, e não havia nem ricos nem pobres.

      Ora, não se sabe como, ocorre que no país apareceu um homem honesto. À noite, em vez de sair com o saco e a lanterna, ficava em casa fumando e lendo romances. Vinham os ladrões, viam a luz acesa e não subiam.

      Essa situação durou algum tempo: depois foi preciso fazê-lo compreender que, se quisesse viver sem fazer nada, não era essa uma boa razão para não deixar os outros fazerem. Cada noite que ele passava em casa era uma família que não comia no dia seguinte.

      Diante desses argumentos, o homem honesto não tinha o que objetar. Também começou a sair de noite para voltar de madrugada, mas não ia roubar. Era honesto, não havia nada a fazer. Andava até a ponte e ficava vendo a água passar embaixo. Voltava para casa, e a encontrava roubada. 

      Em menos de uma semana o homem honesto ficou sem um tostão, sem o que comer, com a casa vazia. Mas até aí tudo bem, porque era culpa sua; o problema era que seu comportamento criava uma grande confusão. Ele deixava que lhe roubassem tudo e, ao mesmo tempo, não roubava ninguém; assim sempre havia alguém que, voltando para casa de madrugada, achava a casa intacta: a casa que o homem honesto devia ter roubado. O fato é que, pouco depois, os que não eram roubados acabaram ficando mais ricos que os outros e passaram a não querer mais roubar. E, além disso, os que vinham para roubar a casa do homem honesto sempre a encontravam vazia; assim iam ficando pobres.

      Enquanto isso, os que tinham se tornado ricos pegaram o costume, eles também, de ir de noite até a ponte, para ver a água que passava embaixo. Isso aumentou a confusão, pois muitos outros ficaram ricos e muitos outros ficaram pobres.

      Ora, os ricos perceberam que, indo de noite até a ponte, mais tarde ficariam pobres. E pensaram: “Paguemos aos pobres para ir roubar para nós”. Fizeram-se os contratos, estabeleceram-se os salários, as percentagens: naturalmente, continuavam a ser ladrões e procuravam enganar-se uns aos outros. Mas, como acontece, os ricos tornavam-se cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres.

      Havia ricos tão ricos que não precisavam mais roubar e que mandavam roubar para continuarem a ser ricos. Mas, se paravam de roubar, ficavam pobres porque os pobres os roubavam. Então pagaram aos mais pobres dos pobres para defenderem as suas coisas contra os outros pobres, e assim instituíram a polícia e constituíram as prisões.

      Dessa forma, já poucos anos depois do episódio do homem honesto, não se falava mais de roubar ou de ser roubado, mas só de ricos ou de pobres; e, no entanto, todos continuavam a ser pobres.

      Honesto só tinha havido aquele sujeito, e morrera logo, de fome.

(ÍTALO CALVINO. In: Um general na biblioteca. Companhia das Letras, São Paulo, 2001)

Questão: 405999
Banca: ACAFE Prova: Professor - Português Ano: 2015
Disciplina: Português Assunto: Geral ,
O romance de Raquel de Queiroz citado no texto é:
O mote para o primeiro romance de Raquel de Queiroz é a seca de 1915. Estamos, então, há cem anos do acontecimento que se expressou como flagelo, mas acabou por se reverter em estímulo para um escrito de densidade e importância. A escrita à qual aludimos ocorre, todavia, posteriormente à data em questão. O período da seca já estava superado, e Raquel se vale da memória do povo que o enfrentara. Na sua vez, todo o interior nordestino é a geografia da grande seca. A escritora, porém, leva o seu leitor ao sertão do Ceará. A esta geografia Raquel conhece, como também aos seus relatos sobre a seca calamitosa. Já o romance, este é editado em 1930 e, em sua temática e seriedade, une-se a dois outros também produzidos por escritores nordestinos.
_________, de 1928, de José Américo de Almeida é o primeiro deles;_________, de 1938, de Graciliano Ramos, o segundo. Irmanados pela temática, trabalharão a seca como força antagônica. A mesma seca, em suas páginas, será também adversidade poderosa que inviabilizará a vida, exigindo o recuo, o êxodo. Os romances referidos serão, assim, parte substancial do ciclo do romance social nordestino. Ao mesmo ciclo ligar-se-ão ainda outros autores, e toda a sua literatura será de intenso diálogo com a realidade. Em sua expressão, o ciclo, como um todo, declarar-se-á também partidário dos desfavorecidos. De algum modo, em diálogo ele expressará a visão de Os Sertões. Falará, por isto, de um sertanejo forte, vítima, porém, do abandono.
Raquel conhece o sertanejo e tudo o que o vitima. Gostaria de ver positivamente sua situação alterada. À época, filiada ao Partido Comunista, pensa em um mundo sem classes sociais e com divisão de bens. Acredita, entretanto, que as mudanças se farão com a ajuda dos destituídos. Associa o fato à literatura e a vê como ins-trumento de transformação. Compreende, por isto, que é preciso haver e fazer leitores. Devido ao fato, construirá um estilo, cujas marcas primarão não pelo simplismo, mas pela simplicidade. Sua linguagem será direta, objetiva. O vocabulário veiculado, acessível e dimensionado. Na oração, a ordem dos termos elencados será a direta. Nas frases, o ponto final aparecerá mais vezes, encurtando extensões e facilitando a apreensão.
Neste procedimento, Raquel se irmanará a Jorge Amado e outros. Com eles, na extensão, será um modelo que rompe fronteiras. Nosso romance social nordestino, por exemplo, chegará a Portugal. Sendo lido, entre os lusos influenciará a eclosão de um movimento literário com força de superação (...). Será também prova de um vínculo que se estende à África de Língua Portuguesa. A elite letrada africana que busca a independência, em atitude de rompimento lê nosso romance social nordestino e nele se espelha. Em Lisboa, a Casa dos Estudantes do Império garante o encontro e a fusão de interesses.
A juventude universitária africana, que o governo português quer conivente consigo, vai a Portugal para a formação universitária. Entre os lusos, entretanto, ela lê o modernismo brasileiro e se envolve com Raquel, Jorge Amado, Graciliano e outros. Amado, para exemplo, lhes dará a coragem de pensar em heróis negros e mestiços. Manuel Bandeira oferecerá consistentes elementos para que o intelectual cabo-verdiano pense a evasão e se autointerprete. “Vou-me embora pra Pasárgada”, poema de Libertinagem, é a fonte desta busca de si. Pelo convite à evasão que o escrito veicula, Ovídio Martins dialogará com a saga do seu povo. Em sintonia, seu eulírico se pronunciará, escolhendo não o mundo de além mar, mas Cabo Verde e sua dura luta pela sobrevivência.(...)

AMBIRES, Juarez Donizete. Conhecimento Prático Literatura.São Paulo: Escala, p. 6-7.
Questão: 181313
Banca: FEPESE Prova: Professor - Português Ano: 2016
Disciplina: Atualidades Assunto: Política , America Latina ,
Assinale a alternativa verdadeira.
Questão: 435714
Banca: FCC Prova: Professor - Português Ano: 2011
O texto acima constitui a unidade 53 da mesma obra de Dalton Trevisan. Considere o conjunto formado por essa unidade e a de número 57. Levando em conta os estudos linguísticos, discursivos e pedagógicos contemporâneos, o professor pode, adequadamente, 

Considere os textos abaixo para responder à questão. 

O texto abaixo transcrito constitui a unidade 57 da obra 234: ministórias, do escritor curitibano Dalton Trevisan, publicada em 1997. 

– Os dois irmãos eram os piores inimigos. Bem me lembro no enterro da velhinha. Eles seguravam a alça do caixão – e não se olhavam. Pálidos, mas de fúria. Nem a cruz das almas comoveu os dois. Se odiavam tanto que a finadinha bulia sem parar entre as flores.

− Nunca me senti tão só, querida, como na tua companhia.