Q563996 - Questão de Com base nas análises das teorias críticas e pós-críticas do currículo, realizada por Silva (2010), analise as proposições e verifique quais são VERDADEIRAS (V) e quais são FALSAS (F): ( ) As teorias pós-críticas e as teorias críticas possibilitaram compreender o currículo para além dos conceitos técnicos, como os de ensino e eficiência, ou de categorias psicológicas, como as de aprendizagem e desenvolvimento, ou ainda de imagens estáticas como as de grade curricular. ( ) As teorias pós-críticas defendem que o currículo é espaço de poder, centrado no Estado, pois o conhecimento corporificado no currículo carrega as marcas das relações sociais de poder e reproduz as estruturas sociais. ( ) As teorias críticas enfatizam que o currículo é uma construção social, portanto, resultado de um processo histórico, por meio de processos de disputa e conflito social, em que certas formas curriculares tornaram-se consolidadas como o currículo. ( ) O currículo, para as teorias críticas, não pode ser compreendido sem uma análise das relações de poder, descentrado em toda rede social, ou seja, nos processos de dominação centrados na raça, na etnia, no gênero e na sexualidade. ( ) Com sua ênfase pós-estruturalista na linguagem e nos processos de significação, as teorias pós-críticas enfatizam o papel formativo do currículo. Assinale a opção que contém as proposições CORRETAS.

B anca: IF-ES Prova: Pedagogo Ano: 2016
Disciplina: Assunto:
Assinale a opção que contém as proposições CORRETAS.

Com base nas análises das teorias críticas e pós-críticas do currículo, realizada por Silva (2010), analise as proposições e verifique quais são VERDADEIRAS (V) e quais são FALSAS (F):

( ) As teorias pós-críticas e as teorias críticas possibilitaram compreender o currículo para além dos conceitos técnicos, como os de ensino e eficiência, ou de categorias psicológicas, como as de aprendizagem e desenvolvimento, ou ainda de imagens estáticas como as de grade curricular.

( ) As teorias pós-críticas defendem que o currículo é espaço de poder, centrado no Estado, pois o conhecimento corporificado no currículo carrega as marcas das relações sociais de poder e reproduz as estruturas sociais.

( ) As teorias críticas enfatizam que o currículo é uma construção social, portanto, resultado de um processo histórico, por meio de processos de disputa e conflito social, em que certas formas curriculares tornaram-se consolidadas como o currículo.

( ) O currículo, para as teorias críticas, não pode ser compreendido sem uma análise das relações de poder, descentrado em toda rede social, ou seja, nos processos de dominação centrados na raça, na etnia, no gênero e na sexualidade.

( ) Com sua ênfase pós-estruturalista na linguagem e nos processos de significação, as teorias pós-críticas enfatizam o papel formativo do currículo.