Questões de Avaliação Educacional

Questão: 212839
Banca: NC-UFPR Prova: Docente I Ano: 2016

Analise a tira a seguir.

(Fonte: deposito-de-tirinhas.tumblr.com)


Paulo Freire, ao apresentar os “saberes necessários à prática educativa” considera que ensinar exige reconhecer que a educação é ideológica.

Com base na tira acima, assinale a afirmativa que expressa a atuação defendida por Freire.
Questão: 212917
Banca: FUNCAB Prova: Pedagogo Ano: 2016

Analise a tira a seguir.

(Fonte: deposito-de-tirinhas.tumblr.com)


Paulo Freire, ao apresentar os “saberes necessários à prática educativa” considera que ensinar exige reconhecer que a educação é ideológica.

Com base na tira acima, assinale a afirmativa que expressa a atuação defendida por Freire.
Questão: 213533
Banca: IDECAN Prova: Especialista Ano: 2016
Assinale a alternativa correta.
Analise os trechos correlatos.
I.González Rey (2001) nos leva a uma reflexão que rompe com o sistema tradicional de ensino de que ensinar e aprender são relações de mão única (o professor ensina, ou seja, transmite o conteúdo e o aluno decora esse conteúdo sem questionar e discutir); o mesmo autor nos propõe a ideia de que a sala de aula não é simplesmente um cenário relacionado com os processos de ensinar e aprender. Nela aparecem, como constituintes de todas as atividades aí desenvolvidas, elementos de sentido e significação procedentes de outras zonas de experiência social, tanto de alunos quanto de professores. Sabemos que cada um constrói sua história, vivencia fatos, experiências coletivas e individuais."
                                                                 PORTANTO
II. “A sala de aula é o lugar em que há uma reunião de seres pensantes que compartilham ideias, trocam experiências, contam histórias, enfrentam desafios, rompem com o velho, buscam o novo, enfim, há pessoas que trazem e carregam consigo saberes cotidianos que foram internalizados durante sua trajetória de vida, saberes esses que precisam ser rompidos para dar lugar a novos saberes. O aluno precisa se apropriar das informações que circulam nos meios sociais e culturais para transformá‐las em conhecimento. Não podemos perder de vista que essas informações deveriam fazer sentido para a vida desse sujeito, para que ele possa ser articulado com suas ações, seus objetivos e seus sonhos e outras aspirações que tenha."
A avaliação escolar é parte integrante que compõe os elementos dos trabalhos pedagógicos, é através da avaliação que o professor poderá fazer intervenções pedagógicas e em alguns casos encaminhamento para profissionais competentes dependendo da dificuldade do aluno. Sobre a avaliação na educação Infantil podemos afirmar que:

I - a avaliação se dará pela observação crítica e criativa das atividades, das brincadeiras e interações das crianças no cotidiano escolar.

II - a avaliação deverá ser a base classificatória para a etapa seguinte de ensino.

III - a avaliação deverá conter parecer descritivo sobre o desenvolvimento da criança, sem objetivo de seleção, promoção ou classificação para etapas seguintes.

IV - para a avaliação da educação infantil poderá ser utilizado múltiplos registros feitos por adultos (fotos, portfólios, fotografias, desenhos etc...) e demais atividades realizadas pela criança.

Dentre as afirmativas acima estão corretas:  

Dermeval Saviani é o idealizador da pedagogia por ele denominada: 
A proposta de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (SINAES) pretende contribuir para a concretização do desafio de estabelecer que a qualidade da educação superior seja verificada, dentre outros procedimentos, via avaliação externa das IES, a ser realizada por meio de visitas de comissões externas de especialistas às instituições. Desta forma, ela tem como objetivo:
Questão: 213925
Banca: FGV Prova: Professor - Pedagogia Ano: 2015

Roberto é professor de Geografia no 7º ano. Para acompanhar a aprendizagem de seus alunos, ele aplica uma atividade avaliativa mensalmente.

A tabela abaixo apresenta o resultado quantitativo de dois de seus alunos: 

De acordo com as orientações legais para a avaliação da aprendizagem dos alunos da educação básica, a medida mais adequada a ser tomada pelo professor a partir destes resultados seria: 

Questão: 214373
Banca: Prefeitura de Betim - MG Prova: Professor de Ensino Fundamental - Séries Iniciais Ano: 2015
Considerando o processo de avaliação do texto escrito pelo aluno, é CORRETO afirmar que o professor deve:
                                    Aprender é um direito de todos 

01/08/2014 02h00

     
     Até o final de 2016, o Brasil deverá construir sua primeira proposta de base nacional curricular comum da educação fundamental e ensino médio, dispositivo que define objetivamente o que se espera que os alunos aprendam nas determinadas fases escolares, segundo o Plano Nacional de Educação, sancionado pela presidente Dilma em junho.

      Os recentes avanços, como a universalização do ensino fundamental nos anos 90, a definição, em 2010, da escolaridade de nove anos como obrigatória e a meta de universalização do ensino médio para 2016, reafirmam o direito à educação pública e o dever do Estado de provê-la, mas não garantem o direito de aprendizagem a todas as crianças e adolescentes.

      São múltiplos os fatores que determinam as condições de ensino e de aprendizagem. É importante considerarmos, no entanto, que a ausência de uma base curricular tende a agravar esse quadro, ao criar um espaço de indefinições, equívocos e interpretações pessoais que restringem a aprendizagem dos alunos.

      Países com bom desempenho em avaliações internacionais possuem um documento nacional especificando o que deve ser ensinado, com variações no grau de detalhamento desses conteúdos, conforme estudo comparativo realizado pela pesquisadora Paula Louzano, que analisou políticas curriculares de diversos sistemas de ensino.

      No Brasil, a ausência dessas especificações favorece que as avaliações externas pautem o que deve ser ensinado, mostrando uma inversão no processo de definição das políticas educacionais. Uma política curricular nacional, que estabeleça de forma objetiva e clara o que cada aluno deve aprender em cada etapa do percurso escolar – independentemente de sua origem territorial, social ou cultural–, expressa um projeto de sociedade sustentado no princípio da igualdade.

      Construir uma base nacional curricular comum, no entanto, requer alguns pontos de atenção.

      O primeiro deles é que os sistemas educacionais tenham a liberdade de complementar a base curricular comum considerando os contextos locais e articulando o projeto de sociedade às aspirações e especificidades regionais.

      A definição de objetivos claros de aprendizagem deve também favorecer o controle social das políticas educacionais e o acompanhamento da aprendizagem pelos sistemas educacionais e pelas famílias.

      Outro pressuposto é a articulação da base curricular nacional com políticas de formação de professores, inicial e continuada. A indicação clara do que é preciso ensinar é condição para um efetivo planejamento docente e acompanhamento da aprendizagem de cada aluno. 

      Por fim, para que a base nacional curricular comum expresse um projeto de sociedade mais justo, é fundamental que sua construção envolva uma ampla participação social, com dispositivos que garantam consulta, debate, formulação e validação. Sem isso, o Brasil deixará, mais uma vez, escapar a oportunidade de alçar a educação ao patamar de prioridade nacional de fato. 

MARIA ALICE SETUBAL, doutora em psicologia da educação pela PUC-SP, é presidente dos conselhos do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec) e da Fundação Tide Setubal.
Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/opinao/2014/08/1494090-maria-alice-setubal-aprender-e-um-direito-de-todos.shtml>  Acesso 04 set. 2015.
“A avaliação só tem sentido quando se pensa a prática, o planejamento como processo de intervenção na realidade. O planejamento, portanto, sendo processo e não ato isolado de contexto e de cronologia, supõe ações que se sucedem na linha do tempo".

In: MASCELLANI, M. N. Avaliação Institucional. In: ENCONTRO DE ADMINISTRADORES ACADÊMICOS E DOCENTES DA PUCCAMP, 1987, Campinas. Painel 1: experiências e perspectivas. Campinas: PUCCAMP, 1987. v. 3, p. 28-43 (p.28).

Sobre avaliação na educação básica podemos afirmar que: 
Os instrumentos de avaliação nacional em curso na política educacional brasileira visam, especificamente: