Questões IFC-SC

Questão: 598756
Banca: IESES Prova: Professor Ano: 2015
Disciplina: Assunto:
Após a leitura do enunciado apresentado a seguir, identifique a afirmação correta:
A Geomorfologia Fluvial engloba o estudo dos cursos de água e o das bacias hidrográficas. Enquanto o primeiro se detém nos processos fluviais e nas formas resultantes do escoamento das águas, o segundo considera as principais características das bacias hidrográficas que condicionam o regime hidrológico. Essas características ligam-se aos aspectos geológicos, às formas de relevo e aos processos geomorfológicos, às características hidrológicas e climáticas, à biota e à ocupação do solo.
I. Na definição dos tipos de leito fluvial, o leito menor corresponde à parte do canal ocupada pelas águas e cuja frequência impede o crescimento da vegetação. No entanto, este tipo de leito não é delimitado por margens bem definidas.
II. Na definição de padrões de drenagem, quando os rios nascem próximos de um ponto comum e se irradiam para todas as direções, a drenagem é classificada como radial centrípeta.
III. Quanto menor for o perímetro molhado de um fluxo (ou mais lisa a calha fluvial), maior será o valor do raio hidráulico, que é uma medida da eficiência do fluxo.
IV. A velocidade de decantação de partículas num fluxo depende da densidade das partículas. A argila decanta mais rapidamente que a areia pela sua maior densidade.
A sequência correta é:
Questão: 593115
Banca: IFC Prova: Analista de Tecnologia da Informação Ano: 2012
Disciplina: Assunto:
Sobre a arquitetura cliente-servidor, NÃO é correto afirmar que:
Questão: 528227
Banca: IESES Prova: Auxiliar administrativo Ano: 2014
Disciplina: Assunto:
De acordo com o texto, são fatos que motivam o autor a defender mudanças na educação brasileira, EXCETO:
                      PRECISAMOS DE EDUCAÇÃO DIFERENTE DE
                               ACORDO COM A CLASSE SOCIAL

                                 
Por: Gustavo Ioschpe. Em 10/07/2011. Adaptado de:              http://veja.abril.com.br/noticia/educacao/precisamos-de-educacao-diferente-de-acordo-com-a-classe-social Acesso em 20 de janeiro de 2014.

      No fim do artigo do mês passado, lancei aos nossos congressistas uma sugestão: que façam uma lei determinando que toda escola pública coloque uma placa de boa visibilidade na entrada principal com o seu Ideb. A lógica é simples. Em primeiro lugar, todo cidadão tem o direito de saber a qualidade da escola que seu filho frequenta. Hoje, esse dado está "escondido" em um site do Ministério da Educação. É irrazoável achar que um pai que nem sabe o que é o Ideb vá encontrar esse site. [...]. Em segundo lugar, acredito que essa divulgação pode colaborar para quebrar a inércia da sociedade brasileira em relação às nossas escolas. Essa inércia está ancorada em uma mentira: a de que elas são boas. [...] Ninguém se indigna nem se mobiliza para combater algo que lhe parece estar bem.

      A sugestão desencadeou dois movimentos rápidos, enérgicos e antagônicos. Por um lado, houve grande acolhimento da ideia entre os reformistas. [...] Ao mesmo tempo, a proposta vem sofrendo resistências. As críticas são interessantes: escancaram uma visão amplamente difundida sobre os nossos problemas educacionais que não podemos mais ignorar ou tentar contornar.[...]

      Disporia essa visão em três grupos, que postulam o seguinte: 1. para o aluno pobre, o objetivo principal é estar na escola; se aprender, é um bônus; 2. a finalidade da escola deve ser o bem-estar do professor; 3. é impossível esperar que o aluno pobre, que mora na periferia e vem de família desestruturada, aprenda o mesmo que o de classe média ou alta. Claro, ninguém diz isso abertamente, mas é o corolário do seu pensamento. Vejamos exemplos.

      Grupo 1: "o importante não é o Ideb, mas o fato de ser uma escola inclusiva", pois recebe alunos de áreas de baixa renda etc. Essa é apenas uma manifestação mais tosca e descarada de um sentimento que você já deve ter encontrado em uma roda de conversa quando, por exemplo, alguém defende a escola de tempo integral porque tira a criança da rua ou do contato com seus amigos e familiares. [...] A minha visão de educação é de que a inclusão social se dará justamente por meio do aprendizado dos conteúdos e das competências de que esse jovem precisará para ter uma vida produtiva em sociedade [...]. Muitos educadores acham que seu papel é suprir as carências - de afeto, higiene, valores de vida etc. - manifestadas pelos alunos. Podem não conseguir alfabetizá-los ou ensinar-lhes a tabuada, mas "a educação é muito mais que isso", e há uma grande vantagem: o "muito mais que isso" não é mensurável e ninguém pode dizer se a escola está fracassando ou tendo êxito nessa sua autocriada missão.

      Grupo 2. Ouvimos a todo instante sobre a necessidade de "valorizar o magistério" e "recuperar a dignidade do professor", que é um adulto, que escolheu a profissão que quis trilhar e é pago para exercê-la. Apesar de o aluno ser uma criança e de ser obrigado por lei a cursar a escola, nunca vi ninguém falando na valorização do alunado ou na recuperação de sua dignidade. Por isso, faz-se necessário dizer o óbvio: a educação existe para o aluno. O bom professor (assim como o diretor e os demais funcionários) é uma ferramenta - importantíssima - para o aprendizado. Mas ele é um meio, não um fim em si. Se o professor estiver satisfeito e motivado e o aluno ainda assim não aprender, a escola fracassou. [...] 

      Mas sem dúvida a oposição mais comum vem dos membros do grupo 3, que usam a seguinte palavra mágica: contextualizar. Escreve Pilar Lacerda, secretária da Educação Básica do MEC: "Divulgar o Ideb é necessário. Mas o contexto onde está a escola faz muita diferença nos resultados. Por isso é perigoso (sic) uma comparação 'fria' dos resultados". [...] Essa visão é caudatária de um mal que acomete grande parte dos nossos compatriotas: o de achar que o esforço importa mais que o resultado. [...]É mais difícil fazer com que esse aluno, nesse contexto, aprenda o mesmo que outro de boa família? Sem dúvida! O problema dessas escolas não é como os seus resultados ruins são divulgados, se serão servidos frios, quentes ou mornos: o problema são os resultados! [...] Nosso problema não é termos alunos pobres: é que nosso sistema educacional não sabe como ensiná-los, e está mais preocupado em encontrar meios de continuar não enxergando essa deficiência do que em solucioná-la. [...] precisamos que a escola dos pobres ensine mais do que a dos ricos. É difícil? Muito. Mas deve ser a nossa meta. E, se o Brasil como um todo não melhorar seu nível educacional, jamais chegará ao Primeiro Mundo. Esse é o non sequitur desse pensamento dos "contextualizadores": seria necessário nos tornarmos um país de gente rica para que pudéssemos dar educação de qualidade a todos. Mas a verdade é que o salto da educação precisa vir antes: sem educação de qualidade, não teremos desenvolvimento sustentado. Podemos nos enganar com um crescimento econômico puxado pela alta de valor das commodities, mas em algum momento teremos de encarar a realidade: um país não pode ser melhor, mais rico e mais bem preparado do que as pessoas que o compõem. 
Questão: 565394
Banca: IESES Prova: Professor - Educação Especial Ano: 2015
Disciplina: Assunto:
No que se refere à Tecnologia Assistiva, assinale a alternativa INCORRETA:
Questão: 551305
Banca: IESES Prova: Auxiliar administrativo Ano: 2014
Disciplina: Assunto:
O estudo de estoques é realizado com base na previsão do consumo, que pode ser estimado pelo método da média aritmética, cuja principal vantagem é a inexistência de diferentes pesos entre os valores mais antigos e os valores mais recentes.
No que se refere ao gerenciamento de estoque e às formas de avaliação da qualidade dos materiais recebidos,


Questão: 604547
Banca: IESES Prova: Técnico em Assuntos Educacionais Ano: 2014
Disciplina: Assunto:
O servidor exonerado do cargo efetivo, ou em comissão, perceberá indenização relativa ao período das férias a que tiver direito e ao incompleto, na proporção de um doze avos por mês de efetivo exercício, ou fração superior: 
Questão: 532905
Banca: IESES Prova: Auxiliar administrativo Ano: 2014
Disciplina: Assunto:
O servidor exonerado do cargo efetivo, ou em comissão, perceberá indenização relativa ao período das férias a que tiver direito e ao incompleto, na proporção de um doze avos por mês de efetivo exercício, ou fração superior:
Questão: 577563
Banca: IFC Prova: Analista de Tecnologia da Informação Ano: 2012
Disciplina: Assunto:
As diferentes formas de armazenamento de dados evoluíram através dos anos para atender a várias demandas de projeto. Costumamos chamar esse conjunto de tecnologias de armazenamento de hierarquia de memória, onde cada nível possui suas próprias características. O foco central do componente de gerenciamento de memória do sistema operacional, que ocupa algo como meio-termo em relação a tamanho e velocidade, é o nível de hierarquia denominado:
Questão: 598763
Banca: IESES Prova: Professor Ano: 2015
Disciplina: Assunto:
 A grafia correta do nome científico do milho é: 
Questão: 559898
Banca: IFC Prova: Analista de Tecnologia da Informação Ano: 2012
Disciplina: Assunto:
A técnica de levantamento de requisitos denominada ETNOGRAFIA consiste em: